domingo, 14 de fevereiro de 2010

Parque Marinho Professor Luiz Saldanha é «hot spot» de biodiversidade

Ascende a 220 o número de espécies recentemente registadas no Parque Marinho Professor Luiz Saldanha (Arrábida) pelo projecto Biomares.

Neste Ano Internacional de Biodiversidade, este programa coordenado pelo Centro de Ciências do Mar do Algarve (Universidade do Algarve), continua a revelar a riqueza desta região.

Desde o seu início, em 2007, já foi possível registar 1320 espécies até agora desconhecidas no local.

O acréscimo agora anunciado inclui 37 espécies de peixes, 21 de crustáceos, o mesmo número de bivalves, 76 espécies de poliquetas e quatro de equinodermes.

Das espécies de peixes, 11 são elasmobrânquios, grupo que inclui os tubarões e raias e cujas características biológicas que os tornam particularmente vulneráveis à sobrepesca.

Duas das espécies que constam nos novos registos, o cação-liso (Mustelus mustelus) e o cação-perna-de-moça (Galeorhinus galeus) estão mencionados na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas do IUCN (International Union for Conservation of Nature) com o estatuto de «Vulneráveis».

O projecto Biomares (BIOMARES - LIFE06 NAT P 192 - Restoration and Management of Biodiversity in the Marine Park Site Arrábida - Espichel) tem desenvolvido diversas actividades que visam a recuperação e gestão da biodiversidade no Parque Marinho Luiz Saldanha.

Esta zona costeira, integrada no Parque Natural da Arrábida, está hoje sob diversas medidas de protecção devido à sua riqueza ecológica.

2 comentários:

luaia disse...

Mas que bonito ver debaixo de agua os peixes e varis peixes marinhos adoro mesmo ver....quem me dera que esistisse serios e serias,e que nos humanos tambem fossemos sereios e sereias.
É muito bom ver os animais de baixo de agua e é bom dar mergulhos porque descontraem a memoria e pricipalmente as pessoas que têm estresse.

luaia disse...

Eu queria dizer que esistisse sereios e sereias.