quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Escola Portuguesa comemorou 10 anos

Uma instituição de referência em Moçambique, a Escola Portuguesa de Maputo comemora sexta-feira 10 anos de olhos postos num futuro com mais infra-estruturas, mais alunos e ainda melhor aproveitamento.

Situada numa zona da capital moçambicana perto do mar, a Escola Portuguesa é um grande complexo de ensino que comporta 1.310 alunos e 108 professores, além de mais de 80 trabalhadores administrativos e auxiliares.

Tida como uma instituição de referência em Maputo, a escola é dirigida por Dina Trigo de Mira, que quer a curto prazo cobrir o campo de jogos e construir um refeitório, como explica à Agência Lusa.

Criada ao abrigo do acordo de cooperação entre Portugal e Moçambique assinado em 1995 e revisto em 2008 (ratificado este mês pelo Governo moçambicano) e inaugurada em Novembro de 1999, a Escola Portuguesa recebe 2,3 milhões de euros do Orçamento de Estado de Portugal e obtém mais 1,4 milhões de receitas próprias.

“Não há obrigatoriedade de uma escola que depende do Ministério da Educação (de Portugal) ser gratuita. O Orçamento Geral do Estado paga parte dos vencimentos, mas tudo o resto vem de proventos próprios”, explica a directora à Lusa.

Apesar de ser uma escola paga, adiantou que praticamente está cheia e que “este ano já houve alguma dificuldade no primeiro ciclo, com um ou outro aluno que não conseguiu entrar”.

“Tem havido um aumento da procura e vai chegar uma altura em que há um limite”, diz Dina Trigo de Mira, orgulhosa de uma escola considerada de referência, onde os alunos “se sentem bem”.

Com espaços verdes e iniciativas a decorrer todos os dias, a Escola Portuguesa diferencia-se das escolas públicas de Maputo, onde cada turma tem o dobro ou o triplo dos alunos.

Na escola convivem diariamente 21 nacionalidades. “O número de alunos de origem portuguesa e moçambicana está muito equilibrado, depois surge a brasileira, inglesa, alemã…”

“É uma mais valia da escola, um espaço com variadíssimas crenças e religiões, e todos aqui se respeitam, quebrando preconceitos relativamente ao conhecimento do outro. É como se uma parte do mundo estivesse aqui. Todos falam a mesma língua, todos se respeitam”, diz Dina Trigo de Mira.

As crianças entre os três e os 17 anos seguem o currículo português com algumas adaptações a Moçambique, por exemplo na disciplina de História (onde aparece mais a História de Moçambique do que nas escolas em Portugal).

Com a dança, o judo, o xadrez ou a natação no currículo da Escola, há ainda aulas, facultativas, de violino, piano ou viola ou até um jornal feito pelos alunos, edição de livros e a formação de professores, segundo um acordo de cooperação com o Governo de Moçambique.

Quando em Moçambique se debate a assustadora percentagem de reprovações nas escolas públicas, Dina Trigo de Mira não fala de percentagens na Escola Portuguesa. Mas garante que uma das metas é melhorar o desempenho escolar.

No último ranking divulgado pela Agência Lusa em Outubro, a Escola portuguesa de Maputo, com uma média de 10,51, ocupava o lugar 356 entre mais de 600 escolas nacionais, públicas e privadas.
Entre os estabelecimentos de ensino portugueses no estrangeiro, a de Maputo está no segundo lugar, depois de Macau.

Agência Lusa

sábado, 3 de outubro de 2009

2º Edição Prémio Drº Pedro Matos

" Ex.mo(a) Sr(a). O Instituto Politécnico de Leiria vem por este meio divulgar a abertura da 2ª edição do Prémio Doutor Pedro Matos, cujo objectivo principal é fomentar a criatividade e o interesse pela Matemática e suas aplicações, bem como despontar novos jovens talentos.

Podem candidatar-se ao Prémio estudantes do ensino secundário, individualmente ou em grupo (com o máximo de 3 estudantes). Do grupo pode ainda fazer parte um professor do ensino secundário, ao qual caberá o papel de orientador.

O Prémio Doutor Pedro Matos distingue os três melhores trabalhos originais na área da Matemática; nesta 2ª edição, o tema é a Geometria. Todas as informações relativas à execução do trabalho e posterior candidatura encontram-se descritas na página Web do prémio: http://www.premiopedromatos.ipleiria.pt/.

De salientar que para concorrer é obrigatório o preenchimento de uma pré-inscrição on-line até ao dia 31 de Março de 2010 e que a entrega dos trabalhos deverá ser feita até 14 de Maio de 2010. Tendo em conta os objectivos descritos e ainda o interesse e benefício que os alunos poderão ter com os prémios atribuídos, solicitamos que divulgue o conteúdo desta mensagem a possíveis interessados".
Os interessados podem consultar o Regulamento Aqui.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Acordo Geral de Paz

Comemora-se a 4 de Outubro de 2009 a passagem do 17º aniversário do Acordo Geral de Paz ( AGP ), entre a FRELIMO e a RENAMO, mediados pelos italianos da Comunidade de Santo Egídio, que pôs fim à Guerra Civil, que assolou Moçambique durante 16 anos.
A Biblioteca Escolar José Craveirinha quis associar-se a este dia, promovendo uma actividade sobre a PAZ, em que os alunos de vários níveis de ensino foram convidados a escrever pensamentos seus sobre o que é para eles a PAZ e a expô-los em pombas recortadas em papel que, em mobiles, caiem do tecto da BE.

Esta exposição de “pombas” está patente na Biblioteca para quem a quiser visitar e, ao mesmo tempo, parar e, também, pensar sobre este tema, que nos é tão caro e anda tão mal tratado no Mundo.

O Coordenador da BE

Jorge Pereira

terça-feira, 29 de setembro de 2009

No tempo em que os animais falavam




O Dia Mundial do Animal chega mais cedo à EPM-CELP

Dia 4 de Outubro celebra-se o Dia Mundial do Animal. Festa é festa, e a Biblioteca José Craveirinha resolveu preparar uma surpresa para todos!
No tempo em que os animais falavam é a denominação desta performance de contos da narradora oral Tânia Silva.
Abordando o imaginário que envolve todo os animais, desde o mais pacato até ao mais selvagem, as histórias viajarão por diversas culturas: portuguesa, brasileira e quiçá africana.
Sendo "os bichos" as personagens principais.


Ficha Técnica e Artística:
Concepção, Criação, Narração e Direcção Tânia Silva
Iluminação Recursos humanos locais
Ambiente Sonoro Sonoplastia Tânia Silva/ Recursos humanos locais
Produção Laboratório das Letras
Público-Alvo Turmas do 5º ano de escolaridade da EPM-CELP

Local- Biblioteca José Craveirinha
Data e Hora -Dia 2 de Outubro
1ª Sessão: 8:30h-9:25h
2ª Sessão: 9:25h-10: 10h
Bilheteira- Entrada Livre

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

25 de Setembro de 1964 – Dia do Início da Luta Armada de Libertação Nacional



Completam-se hoje quarenta e cinco anos sobre os acontecimentos que marcaram o início da guerra que, em Moçambique, pôs em confronto as Forças Armadas Portuguesas e a FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique).
Achamos importante começar por lembrar o contexto histórico que conduziu a esse período tão conturbado, para os povos português e moçambicano.
Com o fim da 2ª Guerra Mundial e a aprovação da Carta das Nações Unidas, as várias potências coloniais europeias encetaram, de forma mais ou menos pacífica, a via da negociação e da transferência de poderes – foi o início do processo de descolonização.
Em Portugal, o Estado Novo de Salazar viu-se obrigado a rever a sua política colonial, o que resultou num conjunto de reformas que acabaram por não ter grande impacto em Moçambique. Na prática, visavam, sobretudo, atenuar as pressões internacionais e calar as vozes que, tanto em Portugal como em Moçambique (e outras colónias), exigiam uma solução para a questão colonial. Salazar, apesar das várias pressões, conseguiu manter uma política isolacionista, profundamente centralizadora e integracionista.
Por toda a África crescia, desde o início da década de cinquenta, o clima anti-colonial. Em Moçambique e outros países africanos, assim como em Portugal e França, formaram-se várias associações de moçambicanos, geralmente ao redor dos mais escolarizados, que exerciam uma grande influência sobre a juventude e grupos socioprofissionais. Da congregação dessas associações surgiu a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), fundada em 25 de Junho de 1962 sob a presidência de Eduardo Mondlane.
A 25 de Setembro de 1962 realizou-se o I Congresso da FRELIMO, que estabeleceu a unidade política e defendeu o princípio da luta armada como a única via possível para alcançar a independência (tentativas anteriores, com base no diálogo, haviam falhado).
Seguiu-se um período de preparação para o desencadear da luta, que incidiu em quatro vertentes - educação, divulgação, diplomacia e preparação político-militar.
Com vista à educação dos quadros, em 1963 foi criado, em Dar-es-Salaam, o Instituto Moçambicano (escola secundária) para acolher os jovens que aí chegavam, muitos deles em fugas organizadas pelo NESAM (Núcleo dos Estudantes Secundários Africanos de Moçambique). Outros foram colocados no exterior com bolsas de estudo.
Para a divulgação dos objectivos da Frente, foram criados centros no Cairo, Argel e Lusaka. Ainda em 1963, a FRELIMO criou em Dar-es-Salaam o Boletim Informativo (mudou o nome para Boletim Nacional, em Outubro de 1964, e para Voz da Revolução, em Junho de 1965).
A nível da diplomacia, Eduardo Mondlane visitou a União Soviética e a China, ainda em 1963.
Por fim, quanto à preparação político-militar, em Janeiro desse preenchido ano, seguiu para a Argélia o primeiro contingente de moçambicanos, recrutados, sobretudo, nas plantações de sisal da Tanzânia. Este grupo, constituído por 50 homens, foi chefiado por Filipe Samuel Magaia. Em meados desse mesmo ano, seguiu um segundo grupo, oriundo do interior, chefiado por Samora Machel. Em Maio de 1963, foram enviados pequenos grupos para a URSS e China, com vista a receberem formação militar. Com o regresso do primeiro grupo, em finais de 1963, foram criados campos de treino na Tanzânia.
Esta intensa preparação político militar levou ao desencadear da Luta Armada de Libertação Nacional, a 25 de Setembro de 1964, com o ataque, dirigido por Alberto Joaquim Chipande, ao Posto Administrativo de Chai, na província setentrional de Cabo Delgado, acompanhado de uma proclamação solene de desencadeamento da guerra. Os 250 guerrilheiros do início da guerra transformaram-se rapidamente em vários milhares, como comprovam fontes militares portuguesas referentes a 1967.
A guerra colonial / luta de libertação nacional acabou em 1974, altura do golpe do 25 de Abril em Portugal, que abriu um período de transição e culminou na independência de Moçambique, a 25 de Junho de 1975.


O Grupo Disciplinar de História

sábado, 19 de setembro de 2009

X Aniversário da EPM-CELP – 28 de Novembro de 2009

No próximo dia 28 de Novembro a escola vai celebrar o seu décimo aniversário com uma festa, que gostaríamos que fosse para todos e de todos. Por isso queremos saber as vossas expectativas relativamente a sua concepção.

Que tipo de festa deve ser esta?
O que se deve manter?
O que se deve mudar?
Deve haver venda de castanhas?
Que tipo de eventos gostava de assistir?
- Espectáculo
- Desporto
- Venda de artesanato e livros
- Outras-quais?

Deixe a sua sugestão.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Workshop "A Arte de Contar Histórias"| 21, 22, 23 e 30 de Setembro de 2009 na EPM-CELP


Contar histórias é uma arte milenar, uma arte performativa muito complexa: exige-nos competências linguísticas e paralinguísticas; uma destreza teatral e sensibilidade humana que ultrapassa qualquer fronteira linguística.
Todos os professores são grandes contadores de histórias.
O Centro de Formação da EPM-CELP vai promover um workshop sobre a arte de contar histórias nos próximos dias 21, 22, 23 2 30 de Setembro em horário pós-laboral.
Os conteúdos passam por abordar os tipos de contos e os tipos de contadores de histórias até aos tipos de estratégias a usar: livros de imagem; objectos; tapetes até aos elementos de identidade do contador de histórias: a apresentação pessoal. Outros conteúdos a trabalhar nas sessões serão:
A voz.
A expressão corporal.
O olhar.
Preparação de uma sessão de contos.
“Ler não é contar.”
“O contador não é um actor”.
Narração e Espectáculo.
Nota- Todo o workshop terá carácter bastante prático, pelo que os participantes devem levar roupa e calçado confortável.
Boa sessão de trabalho!
E esperemos que os formandos enquadrem o futuro Núcleo de Contadores Residentes da EPM-CELP!

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Até Sempre EPM-CELP

Eis que de súbito me vejo, por razões pessoais e familiares, a abandonar Moçambique e aquilo que ele tem de melhor - a EPM-CELP. De facto, é já com alguma nostalgia que deixo uma casa em que fui por todos muito bem acolhido. Aqui, nestes dois últimos anos, cresci e evoluí pessoal e profissionalmente a ponto das aprendizagens e experiências terem moldado de forma indelével a minha personalidade e cosmovisão.
A EPM-CELP é inquestionavelmente uma escola de excelência em muitos aspectos - o seu ambiente cosmopolita, as suas excelentes instalações e equipamentos, as óptimas condições de trabalho que são oferecidas aos seus funcionários, o clima de hospitalidade e cordialidade permanente, o dinamismo quotidiano das suas actividades curriculares e extra-curriculares, fazem desta uma escola de excepção.
Agradeço a todos com quem convivi o facto de me terem proporcionado esse enriquecimento pessoal e profissional - Direcção Pedagógica, colegas, funcionários e alunos. Não obstante, aqui fica uma menção especial aos colegas de grupo - ao Nuno Domingues; à Maria Manuel Seno; ao Lázaro Impuia; ao Jorge e Piedade Pereira, à Luísa Antunes e ao, já ido, Francisco Mascarenhas -foram sempre solícitos, cordiais e solidários. Referência também à Equipa do Jornal Pátio das Laranjeiras - Estela Pinheiro, Judite Santos e Fulgêncio Samo - sempre empenhados e pacientes.
A finalizar alusão a quatro grandes amigos que deixo na EPM-CELP: o Jeremias Correia, grande responsável pelo meu ingresso na instituição e a quem gabo a inteligência e sentido de humor; o Alexandre Areias, a quem agradeço a solidariedade permanente e a sua natureza genuinamente transmontana; o Nuno Adão, a quem louvo a capacidade de pensar e dizer o que os outros hipocritamente escondem; e o Manuel Rocha que se destaca pela bonomia e permanente disponibilidade para ajudar o próximo.
A todos os que «fazem» a EPM-CELP desejo os melhores sucessos pessoais e profissionais e que continuem, por muitos anos, a sua valorosa missão em prol da educação e da difusão da cultura e língua portuguesas.
Aos alunos e encarregados de educação dou o meu testemunho pessoal de que a EPM-CELP é uma escola propiciadora de um ambiente ideal para o crescimento dos seus educandos e que deve ser apoiada e valorizada sem reservas.
Até sempre EPM-CELP
Rodrigo Borges

sexta-feira, 12 de junho de 2009

FESTA DO DIA 13 DE JUNHO: COMUNICAÇÃO DO CONSULADO DE PORTUGAL SOBRE A COMEMORAÇÃO DO DIA DE PORTUGAL PELA COMUNIDADE PORTUGUESA

É com gosto que comunico à comunidade portuguesa residente que a nossa Festa - para comemorar o Dia de Portugal e das Comunidades portuguesas - a ter lugar no 13 de Junho na Escola Portuguesa, só se enriqueceu desde a altura em que a ideia surgiu e começou a ser posta em prática. A traduzir que quando se mete mãos à obra, a obra floresce.
Esperamos um dia cheio de actividades, contactos e confiança no nosso país e no seu futuro, que seja, ao mesmo tempo, um reflexo do bom entrosamento da comunidade portuguesa em Moçambique, este belo país anfitrião.
Como referi em mensagem anterior, teremos representadas, e abertas à interacção com todos, âncoras da presença portuguesa neste país, quer sejam instituições como empresas, como pessoas. Teremos um palco a funcionar sem intervalos até 20 horas. Para os mais pequenos também teremos um concurso de pintura de azulejos, computadores Magalhães e possivelmente um espaço de jogos tradicionais, além dos matraquilhos (com mesas mais pequenas).
Poderemos ver 4 exposições - às anteriormente mencionadas acresce uma outra sobre a recuperação da Fortaleza da Ilha de Moçambique, está a ser feita aliás por uma empresa portuguesa. em cooperação como Sr. Arquitecto Forjaz. E a de pintura e escultura, designada Intersecções, terá entre outros quadros do Mestre Malangatana, e dos pintores Chichorro, Sitoe e Dito entre outros. E uma grande feira do Livro em português
Prevemos um Espaço com desportos Radicais, assessorado pelos militares portugueses. E aproveitando coincidências, poderemos ter o privilégio de assistir a uma passagem de modelos, onde desfilarão criações de estilistas portugueses de renome, incluindo de roupa para criança, a par com criações de uma estilista moçambicana.
Há um repto lançado que todos ganharíamos em que fosse aceite - que é o de a comunidade fazer sobremesas portuguesas que seriam servidas nesse dia. Pode levá-las consigo para a Escola portuguesa quando decidir ir à Festa, depositando-as na cantina (de preferência antes das 12 horas). E também poderá, mas isso não é obrigatório, candidatar-se ao concurso de sobremesas - quem sabe se depois não se edita um livro sobre as sobremesas feitas pela comunidade no 10 de Junho de 2009? Incentivo todos a participarem nesta obra colectiva. E, se assim o quizerem, mesmo que a sobremesa não vá a concurso, identificarem quem a produziu. Envio assim em anexo, para relembrar, o regulamento do Concurso. Para além do Dr. Carlos Pinto, pertencem também ao júri o responsável pelo restaurante Zambi e o Chefe Graça (de Moçambique).
Haverá balões verdes e vermelhos para as crianças encantarem o ambiente. Também camisolas do dia (pretas) embelezadas com o logo do 10 de Junho deste ano que é particularmente bonito. E quem sabe outras surpresas.
Chamo a atenção para que a entrada no recinto - que é aberta a todos os portugueses - carece, por motivos de segurança, da exibição de um documento de identificação. E são possíveis convidados de outras nacionalidades desde que, antes da festa, sejam requisitados junto do Consulado os respectivos convites, a serem obrigatoriamente exibidos à entrada.
Não teria sido possível organizar esta Festa sem o entusiasmado que suscitou entre as empresas portuguesas e o respectivo patrocínio. Mas também junto de empresas moçambicanas - a lista dos patrocinadores está em 45, número que continua a crescer.
A Festa dura todo o dia (está previsto abrir os portões às 11,30 horas- hora que no entanto ainda carece de confirmação - enviarei mensagem com a decisão final a este respeito). E as actividades que decorrem no palco também - segue em anexo um programa tentativo do tempos de actuação no palco, para sua orientação, programa que no entanto está ainda naturalmenjte sujeito a alterações pelo que o melhor será lá estar o tempo todo ....para não perder nada.
Haverá naturalmente comida portuguesa regional, incluindo sardinhas e pratos regionais, incluindo da Ilha da Madeira.
Agora só precisa de vir, com a família e os amigos, para que possamos transformar este dia num dia de que nos orgulhemos.
Para a montagem, e no próprio dia, aceitamos colaboração voluntária dos portugueses que estejam disponíveis para o efeito - se puder ou estiver interessado nesta colaboração agradecia que enviasse um email para

ana.pires@maputo.dgaccp.pt

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

Com as minhas saudações
Graça Gonçalves Pereira
Cônsul Geral

terça-feira, 9 de junho de 2009

29 de Maio - Em busca dos Astros



Em Busca dos Astros - 29 de Maio de 2009






Foi no passado dia 29 de Maio, que alunos da EPM-CELP, do 4º e 7º ano pernoitaram no recinto escolar.

A Actividade contou com a presença de alguns professores bem como de dois apaixonados pelos astros.
Teve como principais objectivos:
  • Partilhar espaços fora das rotinas diárias, quer familiares quer escolares;
  • Partilhar tempos fora das rotinas diárias, quer familiares quer escolares;
  • Criar autonomia e auto-confiança;
  • Desenvolver o espírito de inter-ajuda;
  • Haver uma interacção mais próxima entre os alunos e os professores fora do contexto de sala de aula;
  • Participar em jogos de equipas, com espírito desportivo;
  • Desenvolver a tolerância com os outros, reconhecendo os direitos de cada um;
  • Participar em actividades lúdicas de investigação e descoberta;
  • Utilizar processos científicos na realização de actividades experimentais;







Com inicio marcado para as 18 horas deste dia, foi seguido o seguinte programa:





Recepção aos alunos junto da “Via Láctea” (Parque das Laranjeiras)

  1. Arrumação dos sacos cama e mochilas nos lugares destinados
  2. Dramatização de uma peca pelos alunos do 7o ano
  3. Jantar


  4. Chegada do “Astronauta” com a mensagem para os alunos do 4o ano




  5. Mensagem – Direcção da EMP/CELP



  6. Pequeno momento de musica e poesia



  7. Observação do céu através dos telescópios






  8. Jogos
  9. Apresentação do vídeo Curiosidades do Espaço
  10. Encerramento das actividades

Foi uma experiência única e, que esperemos, significativa para alunos e professores.





João Carolino






sexta-feira, 5 de junho de 2009

Encerramento das XIII Jornadas de Formação

Chegaram ao fim as XIII Jornadas de Formação para professores e técnicos do Sistema Educativo Moçambicano, que decorreram nos dias 16, 23 e 30 de Maio, abrangendo variadas áreas da educação, desde Matemática, Informática, Educação Visual e Musical, Psicologia, entre outras. Estas jornadas foram programadas em função da avaliação feita pelos formandos nas XII Jornadas de Formação, realizadas em Fevereiro de 2009. Dos inquéritos aos formandos conclui-se que a avaliação global foi boa. No geral, os formandos acharam que as suas expectativas se tinham concretizado, que se sentiam mais valorizados profissionalmente e solicitaram o aprofundamento dos conteúdos.
As XIII Jornadas de Formação pretenderam dar resposta a esse desejo. Foi com enorme satisfação que a EPM abriu as portas aos professores do sistema de ensino moçambicano, tentando mais uma vez cooperar com as instituições do país de acolhimento, com a certeza que a intervenção directa junto do meio, como é o caso da formação dos professores moçambicanos em diversas vertentes, aumenta o seu saber e possibilita uma troca de experiências enriquecedora para ambas as partes. No seu discurso na cerimónia de encerramento, a Dra. Piedade Pereira, coordenadora do Centro de Formação, louvou a presença de todos os participantes e expressou a vontade de estreitar a ligação da EPM com as escolas moçambicanas:

"(...)achamos que existe a necessidade de uma maior interligação entre as escolas e o Centro de Formação da EPM-CELP, de forma a que as reais necessidades de formação sejam satisfeitas e que a avaliação dos formandos chegue a nós de forma a sabermos se a formação que está a ser dada tem ou não impacto no trabalho dos professores. Pensamos pois em desenvolver um processo de comunicação entre o Centro de Formação da EPM-CELP e as escolas de forma a poder avaliar o impacto dessa formação no desempenho didáctico dos professores na sala de aula. "A EPM zelou pelo profissionalismo que caracteriza estas jornadas e esclareceu que também é exigido aos formandos a mesma postura de empenho e dedicação, pois só assim a formação terá repercussões benéficas nas escolas moçambicanas:


"Outro aspecto que gostaríamos de referir é o vosso envolvimento na formação.Envolvimento implica assiduidade, pontualidade e responsabilidade. Será por estas razões que só vamos atribuir certificados aos formandos que assistiram a dois sábados completos e mais um meio-dia. Sendo os certificados agora creditados pelo Ministério da Educação de Moçambique exige-se uma maior seriedade na sua atribuição.(...) a valorização profissional e a dignificação da carreira docente só é possível se, com um certo espírito de missão, conseguirmos levar a nossa tarefa com responsabilidade, com profissionalismo e com vontade de aprender sempre e de melhorar sempre e mais o nosso desempenho para bem dos nossos alunos."

terça-feira, 2 de junho de 2009

Dilon Ndjindji


Palavras para quê? Um grande Senhor...

terça-feira, 26 de maio de 2009

Baile de Finalistas 08/09

sexta-feira, 22 de maio de 2009

1

terça-feira, 28 de abril de 2009

EXPOSIÇÃO DE ARTE “MULHER, ROSTOS DE VIDA”

A Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa, teve a honra de apresentar a exposição Colectiva de Arte - “Mulher, Rostos de Vida”.
Partindo do pressuposto de que a educação do ser humano não deve ficar confinada aos espaços físicos das instituições educativas e, de acordo com um dos onjectivos desta instituição, que é o de promover uma formação abrangente e pluridimensional nos campos científicos, cultural, moral e ético e artistico, a EPM acolhe regularmente artistas dos vários domínios de expressão.
A educação artística tem um papel chave no exercício de uma pedagogia reflexiva, através da qual se forma o olhar como uma janela para o mundo e para a sociedade.
A ideia de organizar esta exposição, partiu de Mankew, que pretendeu mostrar, não só a sua experiência como artista, mas também, a sua experiência como “mestre” e fonte de inspiração de artistas em início de carreira.
“Mulher, Rostos de Vida”, é uma exposição que se enquadra nas comemorações do Dia Internacional da Mulher, retratando o dia-a-dia daquelas que, com o seu labor, e numa dádiva constante de vida, constroem o futuro de Moçambique.

sábado, 25 de abril de 2009

Sarau comemorativo do 25 de Abril



À Comunidade Escolar:

O Grupo Disciplinar de História e o Centro de Formação, com a colaboração dos Grupos Disciplinares de Português, Educação Musical e Educação Visual e Tecnológica, irão realizar um sarau comemorativo da efeméride relativa ao 25 de Abril de 1974, dia 27 de Abril (2.ª feira), pelas 14:00, no Auditório Carlos Paredes.
Da actividade, constará o lançamento do livro “Palavras de Abril – Antologia de Poesia de Resistência”, selecção de Teresa Noronha, que será a fonte de inspiração para os outros momentos do sarau, concretamente a declamação de um poema de cada um dos seis capítulos do livro, duas canções de intervenção e quatro testemunhos orais de pessoas que viveram o 25 de Abril (duas em Portugal e as outras em Moçambique).

Contamos com a vossa presença!

Obrigado

GDH e CF

As 24 horas do 25 de Abril de 1974

Aproximavam-se a passos largos as primeiras frequências. “História da Filosofia Medieval” era a primeira! Dia 25 de Abril. Corria o ano de 1974. Coimbra. Os estudantes, agora, dormiam pouco. Era preciso fazer o máximo de frequências para dispensar dos exames. São 5:15 da manhã. É de noite, ainda! Maquinalmente, ligo o rádio! Uma voz pausada e grave faz-me parar! “Aqui Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas. Atenção elementos das forças militarizadas e policiais. Uma vez que as Forças Armadas decidiram tomar a seu cargo a presente situação, será considerado delito grave qualquer oposição das forças militarizadas e policiais às unidades militares que cercam a cidade de Lisboa. A não obediência a este aviso poderá provocar um inútil derramamento de sangue cuja responsabilidade lhes será inteiramente atribuída. Deverão, por conseguinte, conservar-se dentro dos seus quartéis até receberem ordens do Movimento das Forças Armadas. Os comandos das forças militarizadas e policiais serão severamente responsabilizados caso incitem os seus subordinados à luta armada.” Mas que se passa? Estas palavras criaram em mim um estado de alerta, de angústia! “Posto de comando do Movimento das Forças Armadas?” Mas quem são? “Serão os mesmos das “Caldas”? Serão da “situação”? "inútil derramamento de sangue?”, “unidades militares que cercam a cidade de Lisboa”! Há um levantamento em Lisboa, não há dúvidas! Mas, quem estará por detrás deste movimento militar, um tal MFA? Mas, quem são?
O local usual de encontro, antes de rumar a Faculdade, era o café “Reduto”, na avenida Fernão de Magalhães. Quando aí cheguei, as perguntas eram as mesmas. E se for um golpe dos “ultras” contra o Marcelo? Será da esquerda militar? “O golpe das Caldas” ainda não estava bem explicado e o livro do General António de Spínola, “ Portugal e o Futuro”, era lido às escondidas e passado de mão em mão, porque a PIDE/DGS tinha-os comprado quase todos! Nunca se sabia quem nos estava a ouvir ou ver. O medo da PIDE/DGS era muito!
No “Largo das Mamudas”, entre “as Letras”, “os Direitos” e a Biblioteca Geral, os estudantes começavam a juntar-se e a comentar, sem ninguém avançar com o que quer que fosse. Todos queríamos que fossem os militares de esquerda e os “milicianos” os heróis desta iniciativa, mas … e se não fossem? A angústia, a incerteza, o querer gritar “liberdade”, mas o medo de ser imediatamente detido, detinha-nos … os minutos passavam e as notícias eram vagas. Que se passaria efectivamente em Lisboa? O Governo? Como estava a reagir? A PIDE/DGS estava quieta? A Legião Portuguesa estava já em acção? A GNR? Tudo isto era falado, comentado em voz baixa, mas, por volta das 11:00 horas, um comunicado do MFA faz toda a gente gritar de alegria e os primeiros choros de alegria, os primeiros abraços e gritos se soltam. Alguém já oferece flores a professores que sempre estiveram ao lado da luta dos estudantes. Finalmente! Marcelo Caetano estava cercado, soubemos, no Quartel do Carmo em Lisboa! Forças até agora afectas ao Governo tinham-se passado para o lado dos revoltosos. A fragata “Gago Coutinho”, fundeada no Tejo, tinha-se recusado abrir fogo sobre os revoltosos estacionados no Terreiro do Paço. Mas havia muitas incertezas, ainda! Otelo Saraiva de Carvalho, o cérebro do golpe, estava com dificuldades em fazer crer tratar-se de um golpe a sério. Não era a repetição das “Caldas”! “ Rebenta com as fechaduras do portão, que é para saberem que é a sério!”, comunicou ele ao Salgueiro Maia que não conseguia a rendição no “Carmo”! A população estava a ficar eufórica! Era Primavera! O dia estava radioso! As floristas que carregavam flores para a cidade, começaram a distribuir cravos aos soldados, que sem saber o que fazer com eles, algum se lembrou, e vai de enfeitar o cano da G3 com um cravo! Quem o fez, nunca pensou que essa flor e essa imagem viessem a ter o significado que tiveram!
O dia ia longo e a tarde caminhava para a noite! Eram 18:00 horas e Marcelo Caetano entrega o poder e a rendição do Estado Novo ao General Spínola, que se recusara ser Ministro do Ultramar.
Às 19:50 um novo comunicado do MFA informa a população portuguesa da queda do governo e à 1:30 do dia 26 de Abril um grupo de sete militares, todos com ar de quem o sono os esperava já hà horas, apresentavam-se na televisão, aos portugueses, como a Junta de Salvação Nacional, que tinha como grande missão cumprir o programa do MFA: “Considerando que, ao fim de treze anos de luta em terras do ultramar, o sistema político vigente não conseguiu definir, concreta e objectivamente, uma política ultramarina que conduza à paz entre os Portugueses de todas as raças e credos; Considerando que a definição daquela política só é possivel com o saneamento da actual política interna e das suas instituições, tornando-as, pela via democrática, indiscutidas representantes do Povo Português; Considerando, ainda, que a substituição do sistema político vigente terá de processar-se sem conclusões internas que afectem a paz, o progresso e o bem-estar da Nação: O Movimento das Forças Armadas Portuguesas, na profunda convicção de que interpreta as aspirações e interesses da esmagadora maioria do Povo Português e de que a sua acção se justifica plenamente em nome da salvação da Pátria, fazendo uso da força que lhe é conferida pela Nação através dos seus soldados, proclama e compromete-se a garantir a adopção de medidas ( … ), que entende serem necessárias para a resolução da grande crise nacional que Portugal atravessa.”

Assim, Portugal chegou à Democracia, à Liberdade, iniciando um novo ciclo, uma nova república, permitindo que outros povos, noutros quadrantes, também eles, chegassem à Liberdade de serem eles próprios senhores do seu destino.


(Testemunho de Jorge Pereira, professor de História da EPM-CELP)




O Grupo Disciplinar de História

sexta-feira, 17 de abril de 2009

7 de Abril - Dia da Mulher Moçambicana

Qualquer data comemorativa pretende invocar um acontecimento, ou uma série de acontecimentos que marcaram a vida de um povo ou nação, assim, segundo Declaração do Comité Central da FRELIMO – Dezembro de 1972, o dia 7 de Abril designa-se por dia da Mulher Moçambicana, porque “O Comité Central, sob proposta das províncias e das mulheres moçambicanas, considerou o dia 7 de Abril, data do falecimento da Camarada Josina Machel, responsável dos Assuntos Sociais e chefe da Secção da Mulher Moçambicana no Departamento das Relações Exteriores, como Dia da Mulher Moçambicana, para recordar o exemplo de militarismo e sacrifício revolucionário que a vida da Camarada Josina Machel demonstrou, tanto como militante clandestina sob a ocupação colonial, como no seio do Destacamento Feminino, onde o seu trabalho, pela revolução e pela emancipação da mulher em particular, constitui um exemplo para todos os militantes revolucionários.”
Importa relembrar quem foi Josina Machel, a combatente e militante revolucionária, que constituiu um exemplo da mulher moçambicana emancipada.
Em Março de 1964, após uma tentativa falhada de fuga para a Tanzânia, via Rodésia, a fim de se incorporar na FRELIMO, Josina foi presa pela PIDE. Em 1965, após a sua libertação, conseguiu juntar-se à FRELIMO no exterior.
Militante activa do Destacamento Feminino, operou em Cabo Delgado e Niassa, tendo posteriormente recebido a missão de dirigir a Secção de Assuntos Sociais. Nessa tarefa, participou activamente na organização de orfanatos, de creches e centros sociais.
Em 1970, já bastante doente, prosseguiu a sua actividade, participando na mobilização e consciencialização política das populações, no Norte do país. Veio a falecer em Dar-es-Salaam, a 7 de Abril de 1971.
Existem sem dúvida alguma, diversos tipos de mulheres, umas que curam com o seu amor, outras que aliviam as dores com a sua compaixão, outras que cantam e que escrevem o que a gente sente, outras que nos fazem rir, mas também existem as que deixam tudo para trás e que buscam constantemente uma vida nova, que todos os dias são confrontadas com um novo recomeço, as que são confrontadas com as injustiças, com perdas, as que se submetem a regras muito duras e as que se perguntam qual o seu destino.
Mulheres, mães, companheiras, amigas, empreendedoras, mais um aniversário do 7 de Abril se comemorou. Urge, no entanto, não esquecer que todos os dias devem ser de valorização do papel da Mulher, porque só assim se conseguirá fazer de Moçambique um lugar melhor para se viver.



O Grupo Disciplinar de História

terça-feira, 14 de abril de 2009

Até sempre, Érika...


Eram 17:30h e não conseguias esconder a alegria de mais um dia de aulas terminado. Quase no fim do período, sem testes para fazer, despreocupadamente, como todos os dias, conversaste ainda, mais uns minutos, antes de entrares para a carrinha. Conta-se que até dançaste. Na flor da idade, quinze anos, sonhos do tamanho do universo, da via láctea. Sonhos de amor eterno, de felicidade, de amizades profundas e duradouras. Como todos os dias sentaste-te num lugar próximo de alguém com quem pudesses conversar durante a viagem, trocar piadas, falar de um rapaz giro, cantarolar uma canção. Naquela curva, daquele último dia de Março, ficaram para sempre os teus sonhos. Em menos de um minuto, entraste desprevenida pela morte adentro. Faltam-nos as palavras. Tudo é pequeno perante a imensa incredulidade da tua morte. Quanto tempo até aceitarmos que não te sentarás de novo nas nossas aulas, que não soltarás mais uma gargalhada? Quanto tempo com a tua ausência tão presente?O tempo não apaga da memória aqueles que amamos. O teu rosto estará gravado para sempre, em cada um de nós, em todos os momentos que partilhámos.Uma coisa é certa: o amanhã é uma miragem. A amizade, a vida, há que vivê-la hoje. Dizer todos os dias a quem amamos: gosto de ti!Gostamos de ti, Érika, obrigada pelo que de ti em nós deixaste!
A Comunidade Educativa

domingo, 8 de março de 2009

8 de Março - Dia Internacional da Mulher


Obrigado Mulher em serviço na EPM!

Chegou o dia 8 de Março e, com ele, a homenagem à Mulher. Os engenhos do Mundo inteiro deixam de obedecer para enaltecer os feitos da Mulher. A acompanhar o comportamento dos engenhos, o Mundo inteiro também “pára”, curvando-se perante a Mulher.
Os homens em serviço nesta casa advogam que esta trégua que o Mundo observa não é dedicada exclusivamente à mulher, entanto que género. Nós entendemos, sim, que o Mundo presta o seu derradeiro tributo à mulher que, de forma abnegada e arrojada, luta pela liberdade, igualdade e justiça social para cada homem e mulher que vive neste planeta. Nós entendemos que o Mundo verga-se, sim, perante a mulher humilde, solidária e decidida a ser cidadã do Mundo.
Nós acreditamos que tu, Mulher em serviço nesta Escola, fazes parte desta família de mulher por diversas razões:

-Tens o privilégio de dirigires, a diferentes níveis, uma instituição onde se cruzam gerações de mulheres, onde se cruzam mulheres de todas as etnias, mulheres de diferentes credos, enfim, mulheres de diferentes culturas;

-Na preparação e execução das tuas actividades, entrelaças, com gosto e convicção, o saber científico e técnico com o saber estar e o saber ser, qual artista plástica, qual artesã;

-No teu labor na Secretaria, na Repografia, no Centro de Recursos Educativos, na Cantina, nos corredores, enfim, em cada pedaço desta casa, mostras que estás comprometida com a transmissão de valores, que estás comprometida com a construção de um amanhã promissor e, por isso, risonho;

-Finalmente, entendemos que mesmo ao lado dos teus colegas dirigentes, professores ou membros do corpo técnico administrativo, a tua responsabilidade é acrescida. A tua tarefa de moldar a criança, homem de amanhã, mulher de amanhã, não se limita apenas a esta casa amarela que todos os dias te acolhe. Em cada local onde te encontras, os olhos de todos estão fitos em ti, porque mulher, estás associada à figura de mãe, à figura de educadora, à figura de carinhosa, benevolente …

Por tudo isso, nós queremos dizer bem alto:

- Que cada dia do ano seja 8 de Março!

-Não queremos que vivas muito tempo, exigimos, sim, que vivas sempre para moldar futuras mulheres, para moldar gerações!

-Bem hajas tu mulher em serviço na EPM, bem hajam todas as mulheres do Mundo!


Votos dos vossos colegas


O Grupo Disciplinar de História

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Como decorreu a acção de formação em TIC ?

A acção de formação em TIC que teve lugar na Escola Portuguesa de Moçambique entre os dias 7,14 e 21 de Fevereiro do ano em curso decorreu num ambiente agradável e tranquilo.
A primeira sessão foi dedicada a Internet, onde aprendemos a fazer buscas utilizando o motor de busca google que é o mais usado. Na mesma sessão vimos como se usa o YouTube que é o dispositivo de vídeo. O primeiro dia foi muito especial pra mim porque foi o dia que aprendi a criar correio electrónico, algo que a bastante tempo desejava.
O segundo foi interessante, pois aprendi muita coisa como a criação do blogue. Foi um dia que não queria sair a hora marcada porque a aula estava animar.
Gostei imenso pra mim foi uma oportunidade ímpar, pois pude aumentar os meus conhecimentos.
Espero voltar cá numa próxima oportunidade para aprender mais.

A minha formação

A sessão de formação, duma maneira geral correu bem. Lamento ter começado só no segundo dia, devido a informação tardia do início deste curso, por parte de quem foi encarregue, em fazer chegar a informação até a escola onde lecciono. Esta falha não só afectou a mim, mas também aos meus colegas.
Acerca dos conhecimentos adiquiridos, tenho a dizer que professor transmitiu-os com sabedoria e foi comunicativo, contribuindo deste modo para uma aprendizagem eficaz. Para terminar agradeço pela opotunidade que tive e louvo o esforço, que a Escola Portuguesa de Moçambique faz em capacitar professores moçambicanos. Os conhecimentos aqui adiquiridos irão nos ajudar na nossa tarefa de docência.

Refletindo sobre o decurso da acção de Formação

A acção formativa constituiu um momento especial no qual novos conhecimentos foram adquiridos.
Esta acção decorreu num ambiente acolhedor, com um professor brilhante, isto é tem domínio dos conhecimentos de que lecciona, usou métodos adequados à disciplina,para completar a receita é motivado.Como diriam os que conhecem a fórmula do sucesso( conhecimento, habilidade e interesse), são aspectos notórios no Docente.
Quanto aos colegas foram bem comportados, objectivos, pois sabiam colocar as sua dúvidas na hora certa,porém por sermos pouco inexperientes na área da TIC provavelmente talvez tenhamos sido menos curiosos.
A maior das frustrações vem me daquele ditado que diz " Saber pouco é veneno". Por quê? Descobri o maravilhoso mundo da TIC,mas o tempo não permitiu uma maior exploração,porém isto nada tira competência nem mérito ao professor a questão ta relacionada ao tempo que lhe foi concedido para nos transmitir a sua experiência.
Apoiando me da célere frase do Sócrates" Sei que nada sei",espero que este seja o primeiro passo para um grande salto para aprofundar os conhecimentos adquiridos.
O meu obrigado à instituição, ao docente e ao novos colegas e todos que permitiram a minha presença nesta instituição. Estamos juntos!

Formação tic´s 2009

Preciso de milhares e milhares de anos para conhecer o mundo e sobre ele escrever, tratando-se de investigação sem o recurso à novas tecnologias, ora vejamos, em apenas três sábados seguidos, em mim a obscuridade e o medo de nunca saber sobre o mundo fora cessou, significa: Nesta sessão de formação em Tecnologias de Informação e Comunicação na qual fui uma das beneficiárias, neste estabelecimento de ensino, pude porém descobrir possibilidades diversas de conhecer o mundo nas suas inúmeras vertentes, buscar dos outros e dar de mim, numa sentada, ou seja, sem precisar de me deslocar um centímetro apenas, digo mais, esta formação despertou em mim o gosto pela própria ciência ligada às TIC´s, pelo que a abertura foi maior, tanto que, claro tenha se tornado a capacidade de viver novos, se não, outros horizontes...

Criar um filme em movie maker

video
Nesta última sessão da acção de formação introdução às novas tecnologias foi feita uma demonstração das potencialidades do Windows Movie Maker em montar filmes. No nosso exemplo criamos uma animação com base em imagens. Este software, de fácil aprendizagem, permite ao professor e aos alunos fazerem montagens de qualidade que podem vir a partilhar por exemplo no YouTube.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Espaços online

Na segunda sessão da acção de formação, introdução às tecnologias de informação, esta foi dedicada à publicação de artigos online. Numa primeira fase utilizou-se este blog e posteriormente os formandos criaram o seu próprio espaço de acordo com os temas que gostariam de desenvolver. Foi uma sessão muito interessante. Os blogues criados foram os seguintes:

Escola Primaria de Malhangalene

A Escola Primaria 7 de Setembro fica localizada na cidade de Maputo, no bairro de Malhangalene.
No inicio esta escola leccionava apenas de primeira a quinta classes. Actualmente a escola lecciona EP1 EP2, ou seja de primeira a sétima classes. À semelhança das outras escolas primarias esta escola teve um aproveitamento pedagógico negativo na sétima classe, no ano passado, pois muitos alunos tiveram negativas na disciplina de Matemática.

A Educaçao em Moçambique

A educação é a base fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade. Se todos tivéssemos oportunidade de frequentar uma escola, bom seria. Na realidade neste pais, a educação para muitos é algo de um outro mundo alheio ao seu. Quando falo de educação falo de escolarização, pois cada pessoa recebe uma educação no seu berço. Seria positivo se milhares de cérebros adormecidos fossem explorados para que a ignorância se transformasse em sabedoria, para que este país saísse da pobreza absoluta para a riqueza absoluta.

O novo horário da 1ª e 2ª classe em Moçambique

Ontem fiquei surpreso quando apercebi-me de que a 1ª e a 2ª classe, tinham de permanecer mais tempo na escola(5h), o que permite maior interação com o professor, pois as crianças ficavam mais tempo em casa do que com o professor, esta medida visa melhorar a qualidade de ensino, pois o professor irá dar mais atenção as dificuldades de cada criança, dedicar mais tempo à leitura e escrita. A qualidade de ensino é fundamental para que o Homem possa dar melhores respostas face aos problemas que enfrenta, porém surgem novas questões face a medida tomada pelo MEC, Será o tempo de permanência na escola é a causa do péssimo rendimento das nossas crianças? Existem condições criadas para que o desempenho não seja afectado por longos períodos de concentração que a criança ficará na escola tendo em conta que maior parte das nossas crianças são desfavorecidas?

Uma brincadeira, uma aprendizagem

Decorreu sábado último, um festival de crianças de idades compreendidas entre os seis aos nove anos de idade, com a denominação ´´ cuide de si e cuide dos outros. Este festival, tem por objectivo a integração de todas criança em jogos e brincadeiras educativas em vista a fazer toda criança feliz. O mesmo, ocupou o espaço desportivo e cultural da aldeia de crianças SOS. O evento movimentou cerca de dois mil crianças provenientes de vários cantos da cidade e província de Maputo entre elas, representantes de determinadas escolas primárias oficias e ou privadas e outras a representarem as suas respectivas comunidades. Ouvindo sensibilidades nas pessoas das mesmas crianças entrevistadas pela nossa direcção de evento, tornando o censo comum, elas afirmam a não distinção e estigma entre elas em relação as sua particularidades nas suas enúmeras vertentes, pelo que apostam em festejos em comum, para um crescimento saudável.

O novo amigo da Internet


Aurélio Milione Parruque, Moçambicano, Técnico Profissional em Administração Pública e Autárquica N3, actualmente é Estudante do 4º ano de PAGE- Planificação, Administração e Gestão de Educação na Universidade Pedagógica em Maputo.

Em grande no mundo global...

Olá gente boa do mundo que me viu nascer. Eu sou Nora Mabutana, o meu pai é Flor a minha mãe é Cristina, sou de nacionalidade moçambicana, natural de Maputo – Cidade, onde feliz ou infelizmente encontro me a residir até então. Sou uma doninha (assim consideram-me os moçambicanos que comigo cruzam-se), estou no intervalo de vinte e cinco a trinta anos de idade, tenho o nível médio de formação académica, continuo a estudar tanto que encontro me a frequentar um dos cursos oferecidos pela Universidade Pedagógica, sou docente, não pela formação mas por experiência e paixão em leccionar, principalmente, níveis primário onde o mundo é infantil e impressionante, portanto, carrego comigo um sonho de colocar em cada criança um sorriso que eu mesma queria que alguém me tivesse colocado quando eu ainda era criança. Estou integrada pois na acção de formação da Escola Portuguesa de Moçambique, no curso de Tecnologias de Informação e Comunicação.

Aprender, aprender sempre

Chamo-me Marcela Zacarias Muando, residente na cidade de Maputo, sou bacharel em Ensino Língua de Francesa, formada pela Universidade Pedagógica de Moçambique, actualmente sou docente numa das escolas da capital. Gosto de leccionar pois deste modo contribuo para formação de milhares de moçambicanos. Nas horas livres gostos de cuidar da minha casa, e da minha família. Sempre que tenho oportunidades gosto de adquirir novos conhecimentos , por isso, hoje encontro-me na Escola Portuguesa de Moçambique para mais uma formação em Ciências de Tecnologias de Informação e Comunicação.

Vieira Muianga na primeira pessoa

Sou Vieira Fernando Muianga de 29 anos de idade, estudante universitário na Universidade Pedagógica delegação de Maputo, curso de Geografia segundo ano. Sou professor primário, na cidade da Matola, na Escola Primaria Completa da Machava A desde 2000.
Na escola onde lecciono nos últimos 3 anos trabalhei com a disciplina de inglês.
Desde o dia 7 de Fevereiro do ano em curso estou a frequentar o curso de Tecnologias de Informação e Comunicação, na Escola Portuguesa localizada na cidade de Maputo.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Gala Jovem 2009


A comissão de finalistas de 2008/2009 vem por este meio convidar toda a comunidade educativa da EPM-CELP para a GALA JOVEM 2009 - "Amores de Verão" - que se irá realizar no dia 21 de Fevereiro (sábado) a partir das 19h30.


Vai haver muita dança, música, desfiles, moda e muito mais. Apenas 200 cocos por entrada ou 300 o casal.


Vem deleitar-te na nossa Moda de Verão!


Comissão de finalistas 2008/2009

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

“QUEM CONTA UM CONTO... ACRESCENTA UMA PÁGINA.”

Após o sucesso que foi esta actividade com alunos do 2ºCiclo, a BEJC ( Biblioteca Escolar José Craveirinha)informa os alunos do 3ºCiclo e do Secundário de que decorrerá, durante o segundo período, a referida actividade para estes níveis de ensino.
Para tal, os alunos devem dirigir-se à BEJC, a partir do dia 19 de Janeiro, e solicitar os cadernos( um para cada ciclo) disponíveis para o efeito. Cada aluno escreverá uma página, dando continuidade à história até à sua conclusão. Esta coincidirá com o final do segundo período ou com a utilização das últimas páginas de cada caderno.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

3 de Fevereiro - Dia dos Heróis Moçambicanos



O feriado do 3 de Fevereiro pretende celebrar todos os Heróis Moçambicanos, sobretudo os que lutaram pela libertação Nacional. Contudo, os que lutaram pela democracia e todos aqueles que lutam para que ela continue a ser o cenário do dia-a-dia de Moçambique também não podem ser esquecidos, neste ou em qualquer outro dia.
Mas como qualquer comemoração se reporta a um acontecimento concreto, este é o 3 de Fevereiro de 1969, dia do assassinato (através de uma encomenda-bomba) do Doutor Eduardo Chivambo Mondlane, em Dar-es-Salaam, capital da Tanzânia. E contam-se já 40 anos desde esse fatídico dia.
Eduardo Mondlane nasceu a 20 de Junho de 1920 em Manjacaze, província de Gaza. Oriundo de uma modesta família, sem tradição académica, contou a ajuda de uma instituição religiosa suíça para singrar nos estudos, primeiro em Moçambique, depois na África do Sul e, por fim, nos Estados Unidos da América (depois de uma curta passagem por Portugal). Licenciou-se e, posteriormente, doutorou-se em Sociologia. Foi professor universitário de História e Sociologia e trabalhou para as Nações Unidas.
Atendendo às suas habilitações literárias, podia muito bem ter exercido a sua actividade profissional num dos dois países onde estudou fora de portas, já que tanto na África do Sul como nos E.U.A. havia uma segregação racial relativamente à população negra, com particular incidência para o país africano. Contudo, uma situação ainda mais injusta se vivia na sua pátria, a colonização feita por Portugal.
Depois do fim da II Grande Guerra, viveram-se os tempos da descolonização e quase todas as potências colonizadoras sentiram que tinha chegado o fim dos Impérios. Só Portugal continuou tenazmente a defender os seus territórios ultramarinos, dos quais fazia parte Moçambique.
Regressado a África, Eduardo Mondlane, apoiado nos seus conhecimentos e numa muito particular liderança, feita mais de razão que de força, consegue unir os três movimentos de libertação que moçambicanos nacionalistas tinham formado fora de Moçambique, formando um só movimento, a Frente de Libertação de Moçambique – FRELIMO, a 25 de Junho de 1962, na Tanzânia, de que foi o seu primeiro presidente, permanecendo nessa função até à sua morte. A partir da Tanzânia, a FRELIMO vai-se estruturando e alinhavando a estratégia para acabar com a colonização portuguesa.
O Doutor Eduardo Mondlane não teve a oportunidade de assistir a esse acontecimento. Contudo, pode ser considerado o founding father * da Nação Moçambicana, mesmo antes de ela vir a ser constituída. O seu livro, “Lutar por Moçambique”, foi só um dos seus legados.

* Pai fundador

O Grupo Disciplinar de História

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Ano Darwin” é uma boa oportunidade para “fazer cultura científica em Portugal

A comemoração dos 200 anos do nascimento de Darwin e dos 150 da publicação "A origem das espécies" que mostrou ao mundo a teoria da selecção natural é, segundo Mariano Gago, uma boa “oportunidade” para fazer cultura científica em Portugal.A apresentação do “Ano Darwin” aconteceu hoje no Pavilhão do Conhecimento em Lisboa. O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior lembrou durante a apresentação que Darwin fez algumas das suas primeiras observações em território português, nomeadamente nos Açores, quando iniciou a sua viagem de exploração do Atlântico Sul a bordo do Beagle.O ministro considerou que está ainda por se “fazer a História de Darwin em Portugal". Concretamente, não existe uma catalogação de todas as publicações em português sobre o célebre naturalista inglês, uma história dos debates que chegaram e se produziram em Portugal, e ainda a história da sua correspondência com portugueses. São tarefas para cuja realização exortou os investigadores e historiadores da ciência como parte de uma actividade consistente para "nos devolver o passado, que não existe feito, tem de se construir". As comemorações do "Ano Darwin" vão ter um programa de iniciativas promovido em parceria pela Agência Ciência Viva e os Laboratórios Associados. Mariano Gago chamou também a atenção para o portal www.Darwin2009.pt, como plataforma universal de informação sobre as múltiplas actividades a decorrer durante o ano no país e no estrangeiro, e sobre material educativo produzido para as escolas a propósito destas celebrações.De entre essas iniciativas, destacou a exposição "A Evolução de Darwin" a inaugurar na sede da Fundação Calouste Gulbenkian a 12 de Fevereiro, e que transitará em Junho para o Museu Nacional de Ciências Naturais de Madrid, antevendo-a como "provavelmente a melhor exposição sobre Darwin na Península Ibérica". A intervenção de Mariano Gago antecedeu uma conferência proferida por Michael Ruse, da Universidade da Florida (EUA), considerado um dos mais destacados filósofos da Biologia a nível mundial e autor de uma vasta obra e de numerosos livros, entre os quais "O Mistério de Todos os Mistérios", editado em Portugal."Estará o Darwinismo fora de prazo?" era o título da conferência, e a resposta foi "não", sendo que na sua perspectiva o evolucionismo por selecção natural está tão actual como há 150 anos, apesar de todos os desenvolvimentos científicos entretanto ocorridos, designadamente no domínio na Biologia Molecular. "A teoria da evolução transformou-se, mas é a mesma, e o mesmo está a acontecer com as críticas ao evolucionismo", afirmou."Na actualidade, o que se critica não é evolução em si mesma mas as mudanças de estilo de vida e de perspectiva social a ela associadas, como o feminismo, a interrupção voluntária da gravidez ou o casamento entre pessoas do mesmo sexo" - comentou. Mas, para este filósofo, nada melhor do que a crítica e o debate de ideias para estimular a Ciência.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Ano Internacional de 2009


Com o Ano Internacional da Astronomia 2009 (IYA2009) nós celebramos um evento especial: o primeiro uso astronômico de um telescópio por Galileu Galilei – uma invenção que desencadeou 400 anos de incríveis descobertas astronômicas. A isso se seguiu uma revolução científica que alterou profundamente nossa visão de mundo. Hoje, telescópios em solo e em órbita exploram o Universo 24 horas por dia, em todos os comprimentos de onda do espectro eletromagnético. A presidente da IAU, Catherine Cesarsky, diz: “O Ano Internacional da Astronomia 2009 dá a todas as nações a chance de participar nesta excitante revolução científica e tecnológica em curso.”

O IYA2009 é uma colaboração global para fins pacíficos – a procura de nossas origens cósmicas, uma herança compartilhada por todos os cidadãos do planeta Terra. A ciência da Astronomia representa milênios de colaborações através das fronteiras: geográficas, idades e gêneros, raças e culturas, fornecendo uma base completa para a Carta de Princípios da ONU. Neste sentido, a Astronomia é um exemplo clássico de como a ciência pode contribuir para o aprofundamento da colaboração internacional

VISITEM

http://astromozaia2009.weebly.com/index.html

Eclipse Solar em Maputo

No dia 26 de Janeiro do corrente mês, será possível observar o Eclipse Solar Parcial a partir de Maputo entre as 7 e 9:30 horas. Importa salientar que a observaçao será possivel se o Céu estiver limpo.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

XII Jornadas de Formação

PARA PROFESSORES DO SISTEMA DE ENSINO MOÇAMBICANO E ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

Metodologias do Ensino da Educação Musical;
Metodologias do Ensino de Ciências Naturais;
Técnicas de Expressão e Comunicação em Línguas;
Leitura e Escrita no Ensino Primário;
Leitura, Escrita e Biblioteca no Ensino Primário;
Metodologias do Ensino da Educação Visual e Produção de Materiais;
Metodologias do Ensino da Formação Cívica;
Tecnologias de Informação e Comunicação;
Metodologias do Ensino da Matemática - Ensino Primário;
Metodologias do Ensino da Matemática (Iniciação e Aprofundamento);
Administração e Gestão Pré Escolar;
A criança no Jardim Infantil I e II;
Psicologia do Desenvolvimento;
Dificuldades de Aprendizagem no Ensino Primário;
Iniciação à informática: Conceitos Básicos, Internet e Correio Electrónico;
Informática II - Processamento de Texto;
Informática III - Apresentação em Power Point;
Informática IV - Folha de Cálculo;
Contabilidade e Gestão.


7,14 e 21 de Fevereiro 2009

das 08:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:30