quinta-feira, 4 de outubro de 2007

A IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA em 5 de OUTUBRO de 1910


Nos finais do século XIX, inícios do século XX, Portugal era um país pobre e atrasado, onde uma agricultura de subsistência era a actividade económica predominante. A indústria estava reduzida aos grandes centros urbanos de Lisboa e Porto e a Balança Comercial era cronicamente deficitária, uma vez que a maioria dos bens necessários à população tinham de ser importados.
Era um país onde reinava a miséria, o desemprego e o analfabetismo, sem que os diversos governos monárquicos fossem capazes de inverter a situação.
Para muitos, a emigração foi a alternativa para escapar a este quadro de pobreza e falta de oportunidades. Foram milhões os portugueses que, então, rumaram ao Brasil.
O português tipo era descrito na figura do Zé Povinho, sujeito rude, mal-educado, analfabeto e sempre insatisfeito com a vida e o país, com a qual Rafael Bordalo Pinheiro procurou retratar a maioria da população portuguesa de então.
Assim, cada vez mais, a população portuguesa estava descontente, orientando essa insatisfação para a pessoa do rei D. Carlos, que, na época, era o chefe máximo da governação. O descontentamento face ao rei e à monarquia era, sobretudo, inflamado pela acção de um pequeno partido político - O Partido Republicano, que aproveitava todas as ocasiões para denegrir a imagem do rei responsabilizando-o pela má situação que o país vivia. Nos jornais, em comícios e manifestações os republicanos transmitiam aos populares a ideia que a causa de todos os problemas era só uma: a existência de um rei incapaz que não fora escolhido pela população.
Assim, pouco a pouco, as fileiras daqueles que estavam contra o rei e a monarquia foram engrossando, sobretudo após o episódio do ultimato inglês de 1890. Este episódio ocorreu quando Portugal apresentou à comunidade internacional o Projecto do Mapa Cor-de-Rosa, que consistia na intenção de ocupar todo um vasto território que ficava entre Angola e Moçambique, pretendendo, desta forma, unir as suas principais colónias em África. Quem não aceitou este projecto português foi a Inglaterra, principal potência económica e militar da época, que ameaçou Portugal com uma intervenção militar. Face a este ultimato, o rei D. Carlos desistiu do projecto de unir as colónias portuguesas no Sul de África, cedendo assim às exigências inglesas. Acusado de cobardia e de não defender os interesses de Portugal, esta sua atitude provocou grandes manifestações em todo o país e um divórcio irreversível entre os portugueses e o seu rei.
Logo em 1891, no Porto, a 31 de Janeiro deu-se uma primeira tentativa de implantação da república em Portugal. Um pequeno contingente militar, a que se associou boa parte da população portuense, chegou a festejar o fim da monarquia e da governação de D. Carlos, mas foram recebidos e dispersos a tiro pela polícia e tropas fiéis ao rei, num episódio que se saldou num grande número de mortos. Assim, nalguns grupos republicanos mais radicais desenvolveu-se a ideia de assassinar o rei, considerado o grande culpado de todos os males que afectavam o país. Esta intenção foi concretizada em 1908, quando um pequeno grupo de homens armados conseguiu abeirar-se de uma carruagem em que seguia a família real e disparou mortalmente sobre o rei e o seu filho mais velho, o príncipe herdeiro, D. Luís Filipe. Sucede-se no trono D. Manuel II, filho mais novo do rei assassinado. Jovem e impreparado, este novo monarca foi incapaz de inverter a situação e impedir o fim da monarquia.
O seu reinado foi curto, pois terminou abruptamente no dia 5 de Outubro de 1910, quando militares e populares se uniram nas ruas de Lisboa, venceram as poucas tropas que se mantinham fiéis ao rei e prenderam toda a família real. De imediato, o rei e família foram expulsos do país, rumando para um exílio forçado no Brasil, e o país celebrou a implantação da República, que trazia a promessa de mudança e a esperança de um futuro melhor. Mudaram-se, em nome dos novos tempos, os símbolos do país: adoptou-se uma nova bandeira e um o hino denominado – a Portuguesa – e que fora uma canção feita por republicanos aquando do ultimato inglês. Pouco tempo depois, organizaram-se eleições, onde o povo português foi chamado a escolher o seu Chefe de Estado – a escolha recaiu sobre um antigo professor – Manuel de Arriaga que se tornou oficialmente no primeiro presidente da República Portuguesa.***

O GRUPO de HISTÓRIA



*** O texto presente é o Guião de um Diaporama feito na EPM-CELP no contexto das comemorações do 5 de Outubro, com o qual se pretende transmitir aos alunos um conhecimento mais completo das razões históricas que conduziram à implantação da República em Portugal. Desta forma, este texto foi escrito com um objectivo essencialmente didáctico, sem contudo, como é óbvio, perder rigor científico.

3 comentários:

JPT disse...

as datas não são o cerne mas está uma pequena falha, o regicídio foi em 1908 (Gralha decerto).

didáctico ou não o texto a ideia de que D. Carlos era o "chefe máximo da governação" é muito discutível. Mas isso ficará decerto para os especialistas discutirem

Rodrigo Borges disse...

JPT
Obrigado pela detectação do erro na data do regicídio. Será feita a respectiva correcção.
Quanto à segunda observação, que também é pertinente, relembro que constitucionalmente o rei era detentor do poder executivo, cabendo-lhe a responsabilidade de escolher ou nomear governo. Nesse sentido dispunha de prerrogativas de governação, sendo que representava a mesma, vinculando-se necessáriamente às políticas ou medidas adoptadas pelos vários executivos que se sucederam no seu reinado.

Muito obrigado pela sua participação.

JPT disse...

ja agora permito-me sugerir a inclusao de um email para o blog (pelo menos ontem nao o consegui encontrar) - seria muito mais elegante eu ter comunicado a gralha encontrada por via de uma comunicacao fechada. Ate hesitei em faze-lo.

quanto ao regime monarquico la esta, os especialistas que opinem (mero sapateiro nao toca rabecao)

cumprimentos,